Dicas de Livros

Salve salve Galerinha.

Todo mundo bem por ai? Espero que sim.

Aqui, estamos todos bem e seguindo as recomendações das autoridades, de ficar em casa em quarentena. Enquanto as expedições seguem suspensas, até que tudo se resolva e possamos voltar para as montanhas, precisamos “arrumar” o que fazer.

Pensando nisso, decidi compartilhar com vocês a minha lista de livros preferidos. Essa é uma lista de 10 livros de aventura, todos relatam experiências reais, de pessoas reais, e acontecimentos que marcaram de alguma forma o mundo outdoor. Na sua maioria são livros que envolvem caminhadas, trekkings, escaladas e expedições de montanha. Por isso, não entraram na lista, obras de arte, como as de Amyr Klink por exemplo.

Vocês podem encontrar os livros para comprar em forma de PDF na internet, ou se preferirem o livro físico, existem muitas lojas e sebos que entregam na sua casa.

Bora parar de enrolação e vamos a lista…

10º_ CONQUISTADORES DO INÚTIL

Autor: Lionel Teray

10

Colocando em risco suas próprias vidas, há homens que escalam cumes e glaciares, travam com a montanha uma luta sem tréguas, em que o menor erro pode ser fatal. A estes homens é preciso mais do que coragem: É preciso paixão. Lionel Terray descreve essa paixão através da sua aprendizagem da montanha, das suas travessias nos Alpes e das suas vitorias nos cumes mais difíceis, e a sua amizade com Gaston Rebuffat, Louis Lachenal…  Guias que, como ele, eram conquistadores do inútil.

 

 

 

 

9º_ LIVRE

Autor: Cheryl Strayed

9Aos 22 anos, Cheryl Strayed achou que tivesse perdido tudo. Após a repentina morte da mãe, a família se distanciou e seu casamento desmoronou. Quatro anos depois, aos 26 anos, sem nada a perder, tomou a decisão mais impulsiva da vida: caminhar 1.770 quilômetros da Pacific Crest Trail (PCT) – trilha que atravessa a costa oeste dos Estados Unidos, do deserto de Mojave, através da Califórnia e do Oregon, em direção ao estado de Washington – sem qualquer companhia. Cheryl não tinha experiência em caminhadas de longa distância e a trilha era bem mais que uma linha num mapa. Em sua caminhada solitária, ela se deparou com ursos, cascavéis e pumas ferozes e sofreu todo tipo de privação. Em Livre, a autora conta como enfrentou, além da exaustão, do frio, do calor, da monotonia, da dor, da sede e da fome, outros fantasmas que a assombravam. “Todo processo de transformação pessoal depende de entrega e aceitação”, afirma. Seu relato captura a agonia, tanto física quanto mental, de sua incrível jornada; como a enlouqueceu e a assustou e como, principalmente, a fortaleceu. O livro traz uma história de sobrevivência e redenção: um retrato pungente do que a vida tem de pior e, acima de tudo, de melhor.

8º_ UM SONHO CHAMADO K2

Autor: Waldemar Niclevicz

8

Esse livro, é o testemunho inegável da vitória de um homem sobre a natureza. De um brasileiro sobre a montanha mais desafiadora do planeta. O relato não apenas das três expedições de Niclevicz ao K2 como também o das escaladas preparatórias ao Shisha Pangma, o Cho Oyo e o Gasherbrum, além de diversos aspectos geográficos e culturais do Nepal, do Tibete e do Paquistão. Carregado de tristezas e da mais profunda e angustiante felicidade alcançada por Waldemar Niclevicz, o livro é o testemunho da força de vontade que leva alguns homens a arriscarem a própria vida em busca de um objetivo.

 

 

 

7º_ O ULTIMO LUGAR DA TERRA

Autor: Roland Huntford

7Em 17 de janeiro de 1912, depois de enfrentar durante mais de um ano as intempéries antárticas, o oficial da Marinha britânica Robert Falcon Scott chegou ao Pólo Sul e constatou que o norueguês Roald Amundsen, com menos homens e recursos econômicos, havia estado ali um mês antes, tornando-se o primeiro a pisar no último lugar da Terra´. Famintos, atacados pelo escorbuto e exauridos pelo esforço de arrastar sua própria carga – enquanto os trenós de Amundsen eram puxados por cães. Scott e seus homens morreram no caminho de volta e foram transformados em mártires do espírito heroico britânico. Para mostrar que o triunfo de Amundsen não foi um acaso, Roland Huntford reconstitui a história da exploração polar desde seus primórdios e descreve em detalhe as duas expedições rivais. Acaba por desmontar corajosamente o mito de Scott como mártir do heroísmo britânico, revelando suas fraquezas como líder e a incompetência que marcou seu empreendimento. Com base em vasta pesquisa histórica, O último lugar da Terra recria passo a passo as jornadas paralelas de Amundsen e Scott, sem perder de vista, em nenhum momento, a dimensão trágica e humana dos acontecimentos. É um rigoroso trabalho historiográfico que se lê como um empolgante romance de aventura.

6º_ 127 HORAS

Autor: Aron Ralston

6127 Horas é uma extraordinária história de sobrevivência – o doloroso relato de Aron Ralston, que passou seis dias preso em um dos lugares mais remotos dos Estados Unidos, e como um ato repleto de coragem o trouxe de volta para casa. Aron Ralston, um experiente alpinista de vinte e sete anos, estava fazendo uma caminhada sozinho em um estreito e remoto desfiladeiro de Utah, nos Estados Unidos, quando ele desalojou uma rocha de quase meia tonelada que esmagou a sua mão direita e o pulso contra a parede da montanha. Emergindo de uma dor lancinante, Aron descobriu que estava completamente preso, e lembrou que não havia avisado ninguém para onde estava indo – ou seja, a chance de ser resgatado era mínima. A partir daí começaram os seis dias mais infernais de sua vida. Com muito pouca água e comida, o único instrumento disponível era um simples canivete que, na quinta noite, ele usou para riscar e escrever na rocha o seu epitáfio, pois estava certo de que não veria mais a luz do dia. Usando sua câmera de vídeo, Aron começou a gravar mensagens de despedida para sua família e amigos, esperando que alguém pudesse achar essa gravação. Mas na manhã de quinta-feira ele teve uma inspiração divina que poderia resolver o “enigma” da rocha, um extremo e desesperado ato de bravura que salvaria a sua vida. 127 Horas é um inspirado relato escrito de forma brilhante, engraçada e honesta, de como a morte encontra a vida. Uma história que estará para sempre entre os livros clássicos de aventura.

5º_ ANNAPURNA

Autor: Maurice Herzog

5Lançado em 1951, este clássico da aventura relata uma das expedições mais dramáticas já vividas na montanha. Impossibilitado de escrever, seu autor ditou-o na cama do hospital onde se recuperava dos danos físicos sofridos durante a escalada. No dia 3 de junho de 1950 o francês Maurice Herzog – o líder da expedição – e seu companheiro de equipe Louis Lachenal alcançaram o topo do monte Annapurna, no Himalaia, tornando-se os primeiros a conquistar uma das catorze montanhas de mais de 8 mil metros do mundo. O feito se concretizou depois de meses de esforço para estabelecer a rota de ataque, numa região ainda não mapeada, sob imensas dificuldades técnicas e no limite de tempo estabelecido pela chegada da monção, prevista para os primeiros dias de junho: seria preciso abandonar a montanha antes que ela chegasse, com seus ventos fortíssimos e suas chuvas diluvianas. Desde a travessia do sul do Nepal e da conquista do cume até a volta penosa e a euforia da recepção aos heróis, a narrativa de Herzog é de tirar o fôlego e mostra por que a conquista do Annapurna se tornou uma epopeia contemporânea.

4º_ NO TETO DO MUNDO

Autor: Rodrigo Raineri / Diogo Schelp

4Rodrigo Raineri, um dos alpinistas mais experientes e bem-sucedidos do Brasil, narra, com Diogo Schelp, suas experiências nas quatro expedições (em 2005, 2006, 2008 e 2011) para alcançar o cume do monte Everest, a 8.848 metros de altitude. Em No teto do mundo, o leitor vivenciará em detalhes todas as dificuldades enfrentadas por Raineri em sua escalada, como as dificuldades climáticas extremas, com o frio intenso; e a infraestrutura precária, responsável muitas vezes por problemas de saúde. Mais do que apenas um relato, o livro fala sobre vencer os próprios limites; de superar as adversidades; da dor de perder o companheiro Vitor Negrete – parceiro de muitas escaladas — para a montanha; de saber que o Everest não é uma montanha qualquer, é Chomolungma, a Deusa Mãe do Mundo, e pode ser implacável com aqueles que a desafiam. É, sobretudo, um livro sobre a perseverança, a coragem e a amizade para superar os desafios e conquistar o teto do mundo!

3º_ TOCANDO O VAZIO

Autor: Joe Simpson

3Em junho de 1985, Joe Simpson e seu parceiro de escaladas, Simon Yates, chegam ao cume do Siula Grande, a 6300 metros de altura, nos Andes peruanos. A face oeste da montanha nunca havia sido conquistada. Logo depois da façanha, porém, os dois se assustam ao ver que a rota da volta é muito mais perigosa e traiçoeira do que haviam imaginado. Já no começo da descida, um desastre de conseqüências muito graves: Joe escorrega ao tentar desescalar uma parede de gelo e quebra a perna. Nas horas seguintes, cai a noite e uma tempestade de neve se fecha sobre eles enquanto Simon tenta desesperadamente descer o amigo com o auxílio de cordas. Numa das descidas mais aceleradas, castigado pela neve e por rajadas de vento, Joe fica suspenso no vazio, sobre uma imensa greta, sem conseguir tocar a parede de gelo e impossibilitado de tentar alguma manobra de salvamento. Para não ser arrastado para o abismo, Simon é obrigado a cortar a corda que os une. Tocando o vazio é uma narrativa épica sobre medo, dor, resistência, coragem e amizade. O livro recebeu vários prêmios, como o Boardman Tasker e o NCR e foi publicado em mais de dez línguas.

2º_ A ESCALADA

Autor: Anatoly Borkreev / G.weston DeWalt

2aNa posição de número 2, temos 04 livros, que narram a mesma história, sob perspectivas diferentes, pontos de vistas particulares que surgiram de acordo com suas vivencias durante uma tragédia na montanha mais alta do mundo – o Monte Everest.

Em 10 de maio de 1996, uma tempestade atroz atingiu a encosta do Monte Everest por mais de dez horas. Naquele ano, quatorze montanhistas faleceram durante a temporada de escaladas no Monte Everest, sendo que oito deles morreram no mesmo dia. Estas oito mortes aconteceram no fatídico dia de 10 maio de 1996 e os outros morreram no dia seguinte (em decorrência das lesões sofridas no dia anterior). O acontecimento ficou conhecido como “Tragédia do Everest” e gera discussão até hoje entre montanhistas. A fatalidade foi assunto de várias obras literárias como:

A ESCALADA Conta como o guia de montanha Anatoli Boukreev ajudou a salvar três pessoas quase mortas. O guia-chefe russo tomou uma decisão aparentemente suicida ao tentar um resgate sozinho. Enfrentou assim a tempestade, a fúria da neve e a escuridão naquilo que alguns consideram “um dos mais incríveis resgates da história do montanhismo” e que lhe valeu do Clube Americano de Alpinismo o maior prêmio concedido a atos de heroísmo, sendo eternizado como um dos maiores montanhistas do Himalaia.

2bNO AR RAREFEITO Talvez, seja o mais famoso e conhecido livro de toda essa tragédia NO AR RAREFEITO foi escrito por Jonh Krakauer, que foi contratado por uma revista para escrever sobre a crescente comercialização da escalada do monte Everest, Krakauer era um dos participantes de uma das expedições naquele dia. Muito abalado pela tragédia e obcecado em rever o evento em detalhes, ele escreveu este depoimento tocante sobre o sentido da vida e o poder dos sonhos.

 

 

 

 

2cDEIXADO PARA MORRE Beck Weathers era um dos alpinistas que estavam na montanha naquele fatídico dia, atingido por uma cegueira que o impedia de caminhar, ele acabou ficando para traz durante a tormenta. Quando foi possível uma primeira tentativa de resgate, Beck estava à beira da morte e foi abandonado na neve enquanto outros, com mais chance de sobreviver, foram salvos. Doze horas mais tarde, aconteceu o inexplicável: Beck surgiu descendo a montanha na direção do acampamento, cego, sem luvas, e com gelo invadindo até mesmo o interior do macacão térmico. Um verdadeiro milagre naquelas condições. Esse livro narra, toda a sua incrível jornada desde a tempestade que deveria tê-lo matado até sua surpreendente volta à vida. Tudo isso com a intensidade única de quem ganhou uma inesperada e extraordinária segunda chance.

 

2d

 

EM BUSCA DA ALMA DO MEU PAI. Esse seria um livro que não deveria ter nada em comum com os outros citados, é o relato da escalada do Everest do ponto de vista sherpa e budista, e é um retrato emocionante da cultura de um povo que costuma ser deixado de fora da história. Em 1995, o cineasta David Breashers convidou Jamling Tenzing Norgay para participar de uma expedição de filmagem ao cume do Everest.  Jamling é filho de Tenzing Norgay o primeiro homem a pisar no topo do mundo, juntamente com Edmund Hillary em 1953. Por uma coincidência trágica, essa expedição ocorrera em 1996, Jamling e toda a equipe de filmagem da IMEX estava na base da montanha durante a tempestade.

Como preciso escolher um único livro, já que a proposta é escolher os 10 livros, do meu ponto de vista, o melhor entre os quatro, é A ESCALADA. Se você só pode ler um, leia A ESCALADA. Mas se pode ler mais, leia os quatro.

1º_ A INCRIVEL VIAGEM DE SHECKETON

Autor: Alfred Lansing
1
Chegamos ao número 1 da lista, esse, é um daqueles livros que você lê de uma única vez, você simplesmente não consegue parar a leitura, e quando termina de ler, você simplesmente não consegue acreditar. Cheio de ação, aventura e riquíssimo em detalhes.

 No verão de 1914, Sir Ernest Shackleton parte a bordo do Endurance em direção ao Atlântico Sul. O objetivo de sua expedição era cruzar o continente antártico, passando pelo Pólo Sul. Mas, a apenas um dia do ponto de desembarque planejado, o Endurance fica aprisionado num banco de gelo no mar de Weddell e acaba sendo destruí do. Por quase seis meses, Shackleton e sua tripulação sobrevivem em placas de gelo em uma das mais inóspitas regiões do mundo, até que conseguem iniciar sua tentativa de retorno à civilização nos botes salva-vidas. Através dos diários e entrevistas com alguns membros da expedição, Alfred Lansing reconstrói as dificuldades que a tripulação do Endurance enfrentou. Em uma narrativa fascinante, Lansing descreve como Shackleton conseguiu que, após quase dois anos do início da viagem, todos retornassem com vida.

1a

 

Se tiver a oportunidade leia ENDURANCE também, o fotógrafo Frank Hurley estava na expedição de Sheckleton, e produziu um registro sem precedentes na história da fotografia.

 

BÔNUS_ PATAGÔNIA VERTICAL

Autor: Rolando Garibotti / Dorte Pierron

bonus

Esse é um livro, que não conta exatamente uma história, ele é um guia de escalada, é um item “obrigatório” para qualquer escalador que pretende subir o Fitz Roy, o Cerro Torre ou qualquer outra montanha da cidadezinha de El Chalten na Argentina, mas, muito mais do que croquis e vias de escalada, esse clássico da literatura traz, histórias fantásticas de conquistas, de disputas e dramas surpreendentes, que cercam as paredes de escalada mais famosas de América do Sul. PATAGÔNIA VERTICAL, com toda certeza, não poderia ficar de fora dessa lista.

 

Espero que todos fiquem bem, e que em breve nos encontremos em alguma montanha por ai. E lembrem-se FIQUE EM CASA.

Leonardo Fernandes

Autor: araucariaexpedicoes

Agência de Viagens especializada em roteiros de Montanha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s